FESTIVAL DE WOODSTOCK & MONTEREY FESTIVAL: QUAL FOI O MAIS RELEVANTE PARA A HISTÓRIA DO ROCK?

0

O Rock In BH convidou alguns especialistas para debater mais sobre esse assunto tão polêmico! Descubra abaixo o que pensam os convidados! E para você, qual festival foi mais importante? Aproveite para deixar o seu comentário!

Tanto o Festival de Woodstock, quanto o Monterey Festival, foram importantes para o rock – cada um à sua maneira.

Porém, qual deles foi mais relevante para a história desse estilo musical? Para conferir esse bate-papo super bacana, acesse o link dos cortes abaixo:

Lembrando que este é apenas uma parte do nosso bate-papo – pois agora, o Rock In BH fez cortes dos assuntos que foram abordados durante a live. Mas caso você queira assistir completo, acesse o link a seguir: 

Siga-nos também nas redes sociais, pois sempre divulgamos quais serão os próximos entrevistados ou temas de vídeo. 

Afinal, qual festival foi mais importante: Woodstock ou Monterey Festival?

Ao ser perguntado sobre qual a relevância dos dois festivais para a história do rock, Hércules responde que ambos são importantes e contribuíram de alguma forma.

Primeiro, ele conta que Woodstock foi muito mais intenso por ter envolvido várias questões, como por exemplo, a revolução sexual e da bandeira feminista.

Ele diz que antigamente, as pessoas estavam rompendo tabus e queriam sair do “politicamente correto” imposto pelos pais, e tendo mais liberdade para se expressar. 

Depois, a palavra foi passada para Weverton, que concorda sobre Woodstock ser mais intenso. De acordo com o convidado, o festival abriu portas para diversas questões serem abordadas, considerado bastante revolucionário.

Porém, apesar disso, Gaguinho diz que a organização do evento deixou a desejar, relembrando do que aconteceu na apresentação de Janis Joplin. “Mesmo com todos os empecilhos, foi um marco na história da música”, comenta ele. 

Na live, também foi falado sobre o festival Monterey. Primeiro, os convidados pontuaram que o evento também trouxe uma evolução, devido aos nomes que pisaram nos palcos do festival, como Jimi Hendrix, e os grupos The Who e Mamas e Papas – pois todos traziam algo novo para época, tanto na música, quanto nas apresentações, a maneira de se vestir, dentre outros fatores. 

Importância desses festivais

A partir desses comentários, Hugo Ribeiro relembrou que o Monterey veio antes de Woodstock, e disse “Sem o Monterey, não existiria Woodstock”.

Em seguida, ele explicou que um festival se apoiou no outro, ainda mais que naquela época, existiam muitas pessoas com diversos ideais, e foi uma delas quem decidiu montar todo o evento.

O convidado conta que a partir disso, muita gente pensou o mesmo, tipo “por que eu não posso fazer também?”

Monterey como referência

Sendo assim, foi perguntado aos convidados se o Monterey foi uma referência para Woodstock.

Prontamente, Hugo respondeu que sim, e justificou dizendo que todos nós deveríamos ter uma visão anacrônica de tudo, porque algo que vem depois da outra pode ter certa influência.

Depois, ele começou a citar vários festivais que surgiram ao longo dos anos, como Rock In Rio, que são bastante organizados. 

Hugo também explica que seria muito difícil as pessoas “colocarem fé” em Woodstock, porque não existiam festivais de músicas antes, além de Monterey – ninguém tinha uma experiência com isso.

Não é à toa que Monterey chegou em 1966, e Woodstock apenas três anos depois. “Ambos partiram da ideia de alguém que falou ‘é, vamos tentar’ e funcionou! Apesar de ter dado errado, deu certo!” 

Quem quiser acompanhar um pouco mais sobre a rotina dos convidados que estiveram presentes na live, siga-os nas redes sociais: 

Hugo Ribeiro

Instagram: https://www.instagram.com/hugoleo75/ 

Weverton (Gaguinho)

Instagram: https://www.instagram.com/bedrockteorema/ 

Hércules

Facebook: https://www.facebook.com/hercules.almeida.56 

Gostou? Deixe já seu comentário!

Deixe seu comentário e fale mais a respeito dos conteúdos e projetos de cada um dos convidados presentes. É sempre importante complementar o conteúdo no nosso cenário.  

Compartilhar.

Sobre o Autor